POEMA PARA MÃE

Mãe NANU


Mãe, ontem tive insônia
por um longo tempo
minha mente se debruçou
sobre uma pergunta:
Mãe, por que temos medo do escuro
quando criança,
e quando adulto temos medo
do futuro?
Só depois de uma terrível conclusão mental
é que fui capaz de entender
pergunta tão comum para os mortais.
“Deus nos criou para isso,”
assim você me ensinou,
na sua infinita sabedoria popular
que a natureza se renova a cada dia
e que os homens não são diferentes.
Mas ainda reverbera em meu inconsciente
outra questão de valor universal,
pois me diga minha Mãe, se não é verdade,
que nem todos os homens nascem
com esta sensibilidade que possuem
as abelhas, as flores e as pedras do rio
da nossa aldeia… onde você plantou
flores, nos alimentou com frutas e verduras
e nos ensinou o valor do trabalho…
Mãe, não consegui ainda a mesma fortuna
espiritual que possuis, nem este coração imenso
que sempre perdoa sem censurar
e esta fé capaz de mover montanhas,
insônias, angústias e obstáculos intransponíveis,
contudo, contigo aprendi uma grande lição
“que o amor vence sempre”
e que a dor, por mais que pareça infinita
tem seu fim… e que a esperança
é a força que move o bem ao seu objetivo
supremo… melhorar o mundo e construir a paz,
mesmo que às vezes pareça tão distante!
Mãe, sei que um dia serei rio, calmo e sereno
e que não terei mais medo, nem do escuro
nem do futuro, nem insônia angustiante
e que não sentirei mais dores de consciência,
tudo ficará no passado, longe e esquecido
e que as pedras e os espinhos desta vida
serão flores, a adornar nosso tão sonhando paraíso!
Para Ana Maria, minha Mãe Nanu


Evan do Carmo 28/11/2017

Mater

Mãe, eis a causa de tudo
não haveria vida nem mundo
nem filho nem pai
não haveria luz, nem sombra
passado ou futuro
nem semente a nascer
nem um fruto maduro.

Mãe, concepção lírica dos poetas
para pra se criar o universo
poesia e música, fantasia e verso
natureza viva, a expressão discreta
da ilusão homérica de um mundo concreto…

Mãe, quem supor poderia
que se não fosse por ti
nada mais havia
nem amor nem paixão
nem sorte nem destino
nem velho nem morte
nem homem nem menino.

Mãe, amor superlativo, tu
perdoas sempre qualquer tirania,
vences todo ódio com um gesto meigo
teu abraço terno aquece o coração

Evan do Carmo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s