data

Ela marca o tempo, determina períodos de estios, farturas, estações. Delimita o tempo da flor, do fruto, da vida, da maré, da abelha produzir mel. Especifica situações e ocorrências, principalmente tem fixado a entrada na cena da vida, do existir de milhares de rebentos. Também a da saída de cena de pessoas comuns e celebridades que se vão ao encontro com a inesperada e inescapável morte.
Encontro que quase ninguém requisita ou quer. Se deixaram marcas indeléveis no seu trajeto, se tiveram feito seu nome nas mentes e nas vidas das pessoas, nas estrelas do céu, serão lembradas.

Nas atividades pedagógicas da escola, datar a atividade proposta é dever do professor. Maníaco por dicionário e conceituação, mergulhei sem máscara e snorkel no oceano letral em busca do seu significado. A data é fêmea. Um substantivo feminino que serve para indicação do dia, do mês e do ano. Como não escrevemos mais cartas, principalmente as chamadas ridículas cartas de amor, mas nesse documento, colocamo-la para designar o tempo da escrita e da comunicação.O tempo da paixão e da entrega, o mínimo tempo dos amantes. Como mergulhador se depara com diversos seres, nessa busca encontrei um ‘peixe’ chamado datário que vem a ser o substantivo masculino, funcionário do Vaticano, que preside à dataria. A curiosidade mata viu, pessoal? Tive que ir mais além, encontrando que na cúria romana, dataria é ofício cuja atribuição é regular, expedir e administrar os benefícios aos constituintes das reuniões e assembleias concedidos pelo papa. Ô cara, você está ficando mestre na arte de ‘arrodear’ e enrolar?

Na verdade, amigos e amigas, estou tentando chegar à conscientização de que hoje, mais do que nunca é o meu/seu dia. Esta data é nossa. Hoje, está marcada como a data da morte da genial cantora Gal Costa e do não menos, o cantor e apresentador Rolando Boldrin. Em 09 de novembro de 2022, saíram de cena, sob palmas, lágrimas e vivas. E, para mim seria válido se eu tivesse a certeza de que viveram conscientes e despertos em aproveitar as datas de suas distintas vidas, como estou tentando gozar agora.

Então, aproveitem e façam do dia de hoje, dia de aula imperdível do professor Tempo e procure inserir na sua essência as lições que nos foram passadas e as que estão por vir.

João Fernando Gouveia,
o autor é biólogo, professor e poeta baiano,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s