Procuradores cobram de Aras providências após atos terroristas em Brasília

Documento é assinado por 140 integrantes do MP. Eles também pedem a revogação de ato que proíbe a atuação de forças-tarefa cujos membros não tenham sido indicados pelo PGR.

Um grupo de 140 integrantes do Ministério Público Federal enviou um documento ao procurador-geral da República, Augusto Aras, em que cobra providências após os atos terroristas promovidos por uma minoria bolsonarista radical em Brasília.

No último domingo (8), apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) invadiram e depredaram o Palácio do Planalto, o Congresso e o Supremo Tribunal Federal (STF). Vidraças, móveis, obras de arte e outros objetos foram destruídos pelos vândalos.

Na representação endereçada a Aras nesta segunda-feira (9), os procuradores solicitam a adoção de providências para a “pronta apuração de crimes contra as instituições democráticas”, e a determinação de medidas “necessárias e suficientes” para o reestabelecimento da ordem pública.

g1 procurou a assessoria de Augusto Aras e aguardava uma resposta até a última atualização desta reportagem.

Durante reunião com o presidente Lula no Palácio do Planalto nesta segunda-feira, o PGR lamentou os atos e afirmou que o Ministério Público está mobilizado para não permitir que o episódio de domingo se repita. Ele acrescentou que o órgão vai buscar a responsabilização dos culpados.

“Não só na reparação dos danos, mas também nas penas restritivas de liberdade para ato tão torpe que é atacar a democracia”, explicou.

Os procuradores afirmam que uma “horda de terroristas” marchou sobre a Esplanada dos Ministérios, invadiu as sedes dos Poderes e depredou “barbaramente o patrimônio público e histórico” do Brasil.

Eles acrescentam que o objetivo dos bolsonaristas radicais era gerar um “colapso” na democracia com uma tentativa de “golpe de estado”.

E que as forças de segurança não reprimiram os criminosos. No documento, os procuradores criticam a atuação da Polícia Militar do Distrito Federal, o governador afastado, Ibaneis Rocha (MDB), e o ex-secretário de Segurança PúblicaAnderson Torres.

“As imagens de vídeos divulgados pela imprensa revelam que a marcha criminosa da insanidade desceu o Eixo Monumental em direção à sede dos três Poderes escoltada condescendentemente pela Polícia Militar do Distrito Federal, cujo efetivo, presente no local, demonstrou não estar preparado para conter as ações criminosas da multidão golpista e antidemocrática”, diz trecho do documento.

“Além da aparente falta de disposição de alguns policiais para agir com a energia necessária e evitar a invasão e destruição das sedes dos três Poderes republicanos, os fatos precedentes indicam possível omissão ou conivência de autoridades públicas responsáveis pela manutenção da ordem no Distrito Federal, dentre elas, seguramente, o governador local e o seu secretário de segurança pública”, completa a representação dos procuradores.

Os procuradores dizem ainda que é necessário investigar a possibilidade de as tropas policiais terem sido “orientadas a não coibir adequadamente o movimento golpista”. E lembram que grupos de bolsonaristas radicais ocuparam espaços públicos por meses, especialmente em Brasília.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s