trecho do novo livro de evan do carmo

–Meu caro professor, sua inocência comove-me, não há este pudor entre homens públicos, sejam eles democratas ou ditadores confessos.

–Me lembro de uma máxima, que tem a ver com a teoria do caos. É assim que me encontro. Quando penso que já vi tudo, surge algo ainda pior.

–Não se iluda, tudo que está ruim pode piorar ainda mais. A escala do caos é infinita.

–Isso mesmo, você deve ter lido o mesmo autor que eu li. A teoria caos, isso não é bem uma teoria, é um fato. Miserável do Nietzsche formulou com sua própria vida, entrelinhas esta filosofia da decadência humana.

–A impressão que tenho é que tanto ele como os outros pensadores alemães nada contribuíram para melhorar o mundo, são todos depressivos, e Schopenhauer é mais decadente de todos.

–Como que uma conversa pode virar de corrupção sistêmica para um nível tão alto do pensamento filosófico? Meu caro carcereiro, sua função aqui deve ser esta, distrair os condenados. Por um momento me esqueci totalmente que estou preso, sob a custodia de uma estado além de corrupto, neonazista e violento.

–Faço o que posso, minha intenção é tornar suportável sua temporada no inferno.

–Vejo que você realmente andou lendo poetas relevantes, como Rimbaud. Assim quem sabem teremos prováveis boas prosas durante o resto da minha vida.

O EXPRESSIONISMO DE VÂNIA FERRO

O EXPRESSIONISMO DE VÂNIA FERRO

Vânia Ferro. Nascida em Parauna-GO, graduada e pós graduada em arte visual pelo Instituto de Arte da UFG, instituição que hoje é a Faculdade de Artes Visuais.

Nas décadas de 70 e 80, tivemos um dos momentos de grande efervescência no setor da arte visual em nosso Estado, era a consolidação dos princípios do modernismo, implantado no nosso meio por mestres como DJ Oliveira (1932 – 2005 ), Nazareno Confaloni (1917 – 1977), Gustav Ritter (1904 – 1979), entre tantos outros artistas nascidos aqui, ou migrantes, como os supracitados que convergiram de fora, trazendo suas influências para se juntarem à arte local. E isso resultou em nossos dias, na multiplicidade de estilos e técnicas, na fatura da ainda jovem história da arte Goiana.

Continuar lendo O EXPRESSIONISMO DE VÂNIA FERRO

FUNDO DO POÇO

FUNDO DO POÇO

Estamos vivendo
No fundo do poço
A vida está dura
Pro velho e pro moço.
A guerra e a fome
O mundo consomem
Será culpa de Deus
Ou é obra do homem?”
A doença se espalha
Fere como navalha
Corpo e alma do povo.
Mas o homem não teme
Sua sorte no mal
Cresce sua altivez
Quando a culpa é só dele
Não daquele que o fez.
Poço de arrogância
Tanto velho e criança
Sábios na intolerância
Sucumbindo ao caos.
Mas a morte é distinta
Fica a obra que pinta
Para os bons,
Para os maus.

Evan do Carmo

o carcereiro e o prisioneiro – novo livro de evan do carmo

PRIMEIRO CAPÍTULO

Um homem foi preso, julgado e levado para cumprir prisão perpétua, em um presídio federal. A culpa não seria discutida, pois a justiça já havia determinado sua pena. No entanto sempre há controvérsia sobre a razão da prisão e da pena tão longa. O que sabemos é que fora condenado por questões ideológicas. Por isso a justiça sempre será, nestes casos, subjetiva. Outra coisa que sabemos é que o homem tem idade entre 50 a 60 anos.

Ao chegar na prisão especial, o homem foi levado para sua cela. Antes, porém, foi apresentado ao carcereiro, ao homem que agora seria sua única companhia. O carcereiro foi gentil e amigável.

–Seja bem-vindo, aqui você será bem tratado, não costumamos maltratar nossos prisioneiros.

–Obrigado, mas não sei o que dizer sobre isso. Sou inocente. Contudo fui condenado à prisão perpétua.

–Calma, logo vai perceber que esta questão de inocente ou culpado é só um ponto de vista.

O prisioneiro consente com a cabeça e entra na cela. O Carcereiro fecha a porta e sai sem dizer mais nada.

A noite foi longa, o homem preso não dormiu um minuto se quer. Teve pesadelos horríveis, onde era torturado pelo gentil carcereiro. No entanto ao levantar, enquanto escovava os dentes no pequeno banheiro, ouviu alguém bater na porta.

–Bom dia – disse a voz de quem batia na porta.

–Já vou – responde o prisioneiro.

–Trouxe o seu café, isso não é comum, mas pediram-me para trazer, pessoalmente o seu café, acho que é bônus de boas-vindas.

–Obrigado, realmente eu não esperava por isso. Deve ser mesmo alguém pagando alguma promessa, nunca vi falar que mesmo em uma prisão especial houvesse um tratamento desta natureza. Isso me fez lembrar de algo que li, faz algum tempo, sobre como alguém poderia suportar a pressão, o peso de uma prisão perpétua.

–Então o que leu? Perguntou o carcereiro demonstrando muito interesse na resposta do prisioneiro.

–Tolice. Diz o prisioneiro, com um breve sorriso imprevisto. Não era hora de contar piadas, sobretudo não tinha intimidade necessária para isso. Então se senta na cama e toma seu café reforçado, um tanto incomum, se tratando de um prisioneiro político. O carcereiro vai embora sem insistir para saber a resposta, entendeu o silêncio e a discrição do prisioneiro novato.

Eram sete horas da manhã, e o prisioneiro, depois do café, só pensava em o que iria fazer durante o dia todo, em uma cela de 4 metros e um pequeno banheiro. Sem TV ou rádio, sem nenhum livro. Como ocupar a mente para não enlouquecer?

Fim do primeiro capítulo… Aguardem lançamento..

compre na pré-venda..

https://clubedeautores.com.br/livro/o-carcereiro-e-o-prisioneiro-2

pesquise outros títulos de Evan do Carmo

Livro de Evan do Carmo

discografia de evan do carmo

ELA FINGIA

Ela fingia entender o que eu dizia
Ela fingia saber o que não sabia
Enquanto eu tentava explicar
Enquanto eu tentava explicar
O caos deste mundo
A falta de amor
A busca da paz
O inferno e a do
Sua ilusão panteísta
Não havia lugar pra razão
Tudo é culpa de Deus
O sofrer redenção
Mas ela sempre aceitou minha fantasia.
Ela sequer perguntou sobre a minha ironia
De me achar tão sabido
E o sentido da vida não ter entendido
Que segundo ela era viver
Bem distraído.
Que segundo ela esquecer o mal sofrido.

poema original..


Evan do Carmo

a teoria do nada

A força do pensamento, o universo é um simulacro, obra da imaginação de Deus.

Somos o que pensamos. Bons pensamentos, boas palavras, boas ações. Por isso seremos eternos enquanto acreditarmos ser, e somos mortais, se não aprendemos a pensar e alimentar nosso desejo de vida e não de morte.

Morremos quando esquecemos de viver. Viver é desejar sempre mais, a eternidade é uma possibilidade para os que nela acreditam.

A tese em questão pode ser provada com fatos existentes, e fatos reais em desenvolvimento. Estamos dentro de uma onda magnética produzida por todos os seres racionais. Quem pensa criar, e a lembrança arquivada pode ser revisitada para produzir novos eventos, outras obras criativas.

Deus é o principio de tudo, tudo que há é obra do pensamento ativo do amor que embeleza o que cria, por isso este planeta é tão estupendamente belo, e todos os outros mundos, constelações e galaxias, estrelas e sois diversos, que formam a obra criativa de um pensamento imaculado e perfeito em amor, incansavelmente ativo.

O grande evento criativo se deu na hora em que a razão se instalou na mente, produzindo o milagre do pensamento. A partir daí tudo nos será possível.

A teoria do nada, a ideia de um principio é a base para se criar o tudo que quisermos viver, ter, usufruir.

Viver é existir, primeiro no universo da imaginação. Contudo, se realmente desejamos com a força de um criador, de um deus, de um artista que ama sua obra e quer mostrá-la ao mundo, então nossa imaginação pode se tornar realidade.

Rascunho de um projeto. Caso não venha à luz, seu escopo está desenhado e será capaz de despertar outra mente criativa para realizá-lo.

O paraíso era perfeito, em beleza e atitudes, dos que ali viviam, até animais poderiam viver em harmonia, mas um pensamento fora do contexto harmônico e pacifico do seu criador transformou o que era perfeito em desordem, em imperfeição e decadência.

Traga para o campo mental da sua realidade de vida. Em que lugar você habita, na perfeição harmônica do amor ou na imperfeição do ódio e do egoismo? A resposta será pessoal, mas o resultado é natural, simples e irrefutável: Inferno ou paraíso.

Evan do Carmo 28/07/22

EU NÃO TENHO PRECONCEITO – MENTIRA

Você é daqueles que dizem:

“Eu não tenho nenhuma forma de preconceito, público ou velado, eu acredito que toda forma de amar é válida. Defendo o direito das minorias, das ideologias de gêneros, opção sexual, raças e origem étnica ou religiosa. “

Parabéns, eu também penso assim, acredito que o preconceito de qualquer natureza, é a forma mais rasteira de um ser humano se posicionar em sociedade. Contudo, a sociedade que almejamos está muito longe de se concretizar.

Falando de Brasil, da atual sociedade, tenho visto o quanto são hipócritas estes que apregoam não serem preconceituosos. Há, de fato, uma boa vontade em agregar todas as tribos, especialmente pelo ganho social que isto representa, para grandes empresas, políticos ou instituições religiosas.

No entanto, existe uma malha, uma teia social se costurando, sobretudo no campo político, nas ideologias sociais, que tem crescido nos últimos anos, uma polarização perigosa e às vezes violenta. No Brasil atual, e isso não é muito novo, pois me lembro das disputas no campo político, sempre trazendo para o campo das batalhas de ideias, assuntos sensíveis como o aborto, quem é do bem, e quem é do mal, sempre se discutiu estes temas, especialmente em ano de eleição.

Se você diz que não tem preconceito, isso me faz rir, pois é fato que entre pessoas supra evoluídas, que fazem questão de dizer que são agregadores, que amam a diversidade – lamentavelmente estes mentem. Eu tenho muitos conhecidos, intelectuais, políticos, poetas, artistas, pessoas de alta cultura, que fazem parte dessa tribo, dos defensores da liberdade total, em todos os campos da vida, moral, social, política e religiosa.

Ao conversar com pessoas das quais me refiro, tenho visto que, quando o assunto é religião, que não raro está ligado, no Brasil atual à política partidária, gerando a tal polarização, quando alguém cita religião, sobretudo evangélicos, sobe uma bandeira, um sinal de alerta. Os mesmos que defendem a liberdade de expressão, nessa hora se contradizem, se complicam, pois já fizeram seu juízo de valor, que evangélicos, cristãos de qualquer segmento não são inteligentes, são parte de um determinado grupo do qual estes liberais querem distância. Por isso afirmo que não há ser humano, sobretudo entre ativistas sociais de qualquer natureza, um único sequer, livre de preconceito, público ou velado.

Evan do Carmo

Brasília- DF

26/07/22

A “CONSPIRAÇÃO” POR TRÁS DA AUTORIA DAS OBRAS DE WILLIAM SHAKESPEARE

Há séculos, estudiosos discutem se as obras do bardo foram realmente escritas por ele ou por um grupo de dramaturgos e poetas

Intrigas, paixões, discórdias e polarizações. O que parece descrição de uma peça de William Shakespeare é, ironicamente, parte dos tons shakespearianos do debate sobre a identidade do autor de sua obra. Duvidar que o filho de um fabricante de luvas de Stratford-Upon-Avon é o mesmo gênio por trás de clássicos como Hamlet e Romeu e Julieta não é novidade.

Continuar lendo A “CONSPIRAÇÃO” POR TRÁS DA AUTORIA DAS OBRAS DE WILLIAM SHAKESPEARE

Os melhores poemas de William Shakespeare sobre o amor e a vida

Considerado o maior dramaturgo de todos os tempos, William Shakespeare escreveu verdadeiras obras de arte que influenciaram gerações além do seu tempo. Apesar de suas peças terem feito seu nome ressoar pelos séculos, seus poemas também revelaram sua genialidade enquanto maior escritor britânico de toda a história.

Os poemas de Shakespeare sobre o amor e a instabilidade da vida nos mostram que o artista amou, sofreu e viveu paixões que só poderiam ser expressadas de uma maneira: através das palavras.

Poemas de Shakespeare sobre amor

São nos sonetos e pequenos poemas de Shakespeare que conseguimos vislumbrar suas mais complexas emoções. Suas palavras são como se o sangue do poeta escorresse pela caneta declarando-se sem restrições para sua amada.

Se você procura um poema de Shakespeare sobre amor para compartilhar, confira alguns que são perfeitos para mandar para aquele alguém especial.

Não chame o meu amor de idolatria
Nem de ídolo realce a quem eu amo,
Pois todo o meu cantar a um só se alia,
E de uma só maneira eu o proclamo.

É hoje e sempre o meu amor galante,
Inalterável, em grande excelência;
Por isso a minha rima é tão constante
A uma só coisa e exclui a diferença.

‘Beleza, Bem, Verdade’, eis o que exprimo;
‘Beleza, Bem, Verdade’, todo o acento;
E em tal mudança está tudo o que primo,

Em um, três temas, de amplo movimento.
‘Beleza, Bem, Verdade’ sós, outrora;
Num mesmo ser vivem juntos agora.

William Shakespeare

Morrestes achando que amava.
Matastes pensando que era amor.
Dominado pelo egoísmo da paixão,
nos fez ver que não te conhecíamos como deveríamos
e, por tua atitude, demonstrou que não conhecias o amor.
Descansem em paz.

William Shakespeare

Amor quando é amor não definha
E até o final das eras há de aumentar.
Mas se o que eu digo for erro
E o meu engano for provado
Então eu nunca terei escrito
Ou nunca ninguém terá amado.

William Shakespeare

O amor é dos suspiros a fumaça;
puro, é fogo que os olhos ameaça;
revolto, um mar de lágrimas de amantes…
Que mais será?
Loucura temperada, fel ingrato, doçura refinada.

William Shakespeare

Quando me tratas mal e, desprezado,
Sinto que o meu valor vês com desdém,
Lutando contra mim, fico a teu lado
E, inda perjuro, provo que és um bem.

Conhecendo melhor meus próprios erros,
A te apoiar te ponho a par da história
De ocultas faltas, onde estou enfermo;
Então, ao me perder, tens toda a glória.

Mas lucro também tiro desse ofício:
Curvando sobre ti amor tamanho,
Mal que me faço me traz benefício,

Pois o que ganhas duas vezes ganho.
Assim é o meu amor e a ti o reporto:
Por ti todas as culpas eu suporto.

%d blogueiros gostam disto: